Foto: lograstudio/Pixabay

Você pode pensar que você tem alguns muitos anos antes que doenças cardíacas e outros “problemas de velho” o afetem. Pense novamente. Muitas das condições comuns das quais seus pais ou avós sofrem começaram quando eram jovens. Eis o que você pode fazer hoje para se proteger.

1. Perda de força óssea

As mulheres desenvolvem cerca de 90% de sua massa óssea aos 18 anos de idade, diz o Dr. Wei Wei Lei, professor assistente de medicina interna geral na Universidade de Chicago. “Você nunca terá a oportunidade de construir massa óssea após os 30 anos de idade”. Na verdade, a partir dos 30 anos, você perderá cerca de 1% desta por ano. Muitas mulheres ao redor do mundo sofrem de osteoporose e de osteopenia, seu precursor de baixa massa óssea. É super importante se lembrar de continuar bebendo leite e comendo couve, amêndoas, sardinhas, brócolis, tofu, queijo, iogurte e outros alimentos ricos em cálcio. Mulheres de 19 a 50 anos precisam de uma dose diária de 1000 miligramas de cálcio. Para evitar a perda óssea, os médicos também recomendam fazer exercícios de peso, não fumar, e beber menos álcool.

2. Hipertensão arterial

“A alta pressão arterial pode sim começar a acontecer quando você é mais jovem”, diz Lei. Tente manter sua pressão arterial até 12 por 8. A partir de 13 por 8 já se considera uma hipertensão. Quando se atinge 13,9/8,9 já se está com uma hipertensão de estágio um, enquanto de 14 por 9 em diante, é definida a hipertensão de estágio dois. Verifique sua pressão no braço esquerdo, você pode fazer isso em uma farmácia, ou comprar seu próprio monitor.

3. Doença cardíaca

A doença cardíaca é uma das principais causas de morte. É por isso que recomenda-se que qualquer pessoa com mais de 20 anos faça sua “avaliação de risco de ataque cardíaco”. Então, você saberá a probabilidade de ter um ataque cardíaco ou morrer de doença coronária na próxima década. A boa notícia: você pode controlar fatores de risco como fumo, hipertensão, colesterol, diabetes, peso e atividade física.

4. Diabetes

Faça um teste – em jejum – de açúcar no sangue prever suas chances. A combinação entre hipertensão arterial, colesterol alto e obesidade (comumente conhecida como “síndrome metabólica”) é arriscada e pode ser um precursor do diabetes. Observe seu peso e faça pelo menos 150 minutos de exercícios moderadamente por semana.

5. Artrite

Não descarte nenhuma dor. A artrite reumatóide, uma doença auto-imune que atinge  mais frequentementeas articulações dos dedos e pulsos, começa a afetar pessoas com apenas 25 anos. “Se você tiver articulações persistentemente inchadas e tenras em suas mãos, pulsos, ombros ou joelhos, você não deve simplesmente atribuí-las ao desgaste ou à tensão”, diz o Dr. Gary Martin, geriatra da Northwestern University, dos Estados Unidos. “Você deve fazer um check-out”. Se você o ignorar, você pode obter danos permanentes que não podem ser revertidos”.

6. Câncer

Mesmo que não haja histórico de câncer em sua família, você ainda tem uma chance de tê-lo. Para as mulheres, o risco vitalício de câncer de mama é de 10%, e entre os homens, segundo estimativas da Sociedade Americana de Câncer, um a cada oito homens passará por este problema. Por isso, tanto se bate na tecla da recomendação dos respectivos a partir dos seus 40, 45 anos. E se você está num dos grupos de risco, ou já tem histórico familiar, você pode optar por começar um pouco mais cedo. E quanto ao câncer de pele, que afeta pessoas de todas as idades, não se esqueça de usar protetor solar todos os dias, mesmo durante o inverno, para diminuir seus riscos.

7. Doença de Alzheimer

A medicina atual acredita que as mudanças cerebrais relacionadas ao mal de Alzheimer realmente acontecem 20 a 30 anos antes de você começar a apresentar sintomas, diz Sandra Weintraub, PhD, diretora do núcleo clínico e do programa de neuropsicologia do Centro de Neurologia Cognitiva e Doença de Alzheimer da Northwestern University. Para reduzir seu risco da doença (que por sinal atinge as mulheres com mais frequência do que os homens), sua melhor aposta é o exercício. Ele melhora o fluxo sanguíneo e libera produtos químicos que são bons para as células nervosas. A recomendação é de “qualquer coisa que você faça que seja boa para seu coração é boa para seu cérebro”, diz Weintraub.

8. Derrames

Quando os mais jovens têm derrames, geralmente é um problema hereditário. Mas o tabagismo e as pílulas do dia seguinte também aumentam o risco. A pílula aumenta seu risco de coágulos sanguíneos, e o fumo faz com que os vasos sanguíneos se contraiam. “Mulheres que fumam e tomam a pílula anticoncepcional sofrem um golpe duplo”, diz Martin.

9. Disfunções Sexuais

Muito se pensa que as disfunções sexuais só ocorrem nos mais velhos, principalmente quando se pensa apenas nos problemas de ereção, no caso dos homens. Mas isso não é verdade. O mais fácil é se pensar na ejaculação precoce, muito comum no início da vida sexual dos homens. Mas a disfunção erétil em jovens também ocorre, em geral por causas psicológicas, como a vontade de impressionar alguém, ou mesmo questões como o estresse, ansiedade e depressão, que podem também motivar uma falta de desejo masculino ou mesmo feminino. De fato, as causas físicas para estes problemas geralmente ocorrem com os mais velhos, mas não deixe de procurar um especialista caso acredite que está passando por um problema como estes.

10. Transtornos Psicológicos

Sua exposição a “experiências adversas na infância” – tais como abuso físico e emocional, o divórcio de seus pais e afins – pode prever muitos problemas futuros, incluindo ansiedade, depressão e alcoolismo. Você não pode apagar o passado, mas pode sair do cenário catastrófico em torno dele com o tipo certo de cuidado a partir do trauma. Consulte um médico o mais rápido possível.

Rate this post

Similar Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.