Índices da doença crescem cada vez mais e o Brasil ocupa 2º lugar no ranking de trabalhadores com burnout

Você provavelmente já ouviu falar que a Síndrome de Burnout é uma realidade presente na vida de muitas pessoas.

Desde 2019 os índices da doença crescem cada vez mais. O Brasil ocupa o 2º lugar no ranking de trabalhadores com a síndrome. Com a pandemia, o trabalho remoto confundiu ainda mais o limite entre a vida pessoal e o trabalho. Essa condição desgastante e os índices elevados levaram a OMS a considerar o transtorno como parte do quadro de doenças ocupacionais.

Pode parecer que não, mas alguns detalhes no dia a dia podem mudar essa realidade. Algumas pequenas alterações na sua rotina, como usar calçados confortáveis, alimentação saudável e dormir mais, por exemplo, já podem fazer toda a diferença na prevenção do burnout.

Continue a leitura para saber ainda mais sobre essa síndrome e como preveni-la.

O que é a Síndrome de Burnout

A Síndrome de Burnout é ocasionada pelo excesso da carga diária de trabalho.

O exagero na rotina pode trazer sintomas diversos relacionados com o estresse e a exaustão. Esses sintomas podem começar a aparecer após longos períodos de jornadas intensas de trabalho sem descanso.

Todos nós sabemos que não é fácil equilibrar as tarefas diárias. Às vezes, a dedicação pode passar do ponto e se tornar prejudicial para a saúde. Além da cobrança pessoal, existe a cobrança dos cargos de liderança, que também podem ser bastante exigentes e contribuir para o surgimento do quadro.

Então surge a dúvida, como posso saber se estou com burnout? Para ajudar você a identificar alguns sinais da doença, separamos uma lista de sintomas, que podem ser de ordem física ou emocional para você saber identificar:

  • Dores no corpo;
  • Problemas gastrointestinais;
  • Fadiga;
  • Ansiedade;
  • Irritabilidade e alterações de humor;
  • Depressão;
  • Exaustão física e mental.

Diagnóstico da Síndrome de Burnout

Quando os sintomas aparecem, o ideal é procurar um profissional da área da saúde para entender melhor o que está acontecendo. O diagnóstico da doença é feito depois de relatar todos os seus sintomas para um profissional qualificado, que pode ser o psiquiatra ou psicólogo.

Ambos os profissionais são capazes de analisar o quadro e dar o diagnóstico adequado. O tratamento também é feito pelos mesmos profissionais. Afinal, eles saberão orientar o que você pode fazer e quais são as melhores formas de cuidar da doença.

O tratamento pode ser feito através de sessões de terapia e remédios específicos para os sintomas. Além disso, faz parte do processo de melhora diminuir a carga de trabalho e evitar momentos estressantes.

Como prevenir a Síndrome de Burnout

Além de focar no conforto, vale tudo para relaxar. Utilizar técnicas de relaxamento como massagens, meditação guiada e acupuntura podem ser alternativas muito potentes para fugir da rotina intensa.

Além disso, por mais óbvio que pareça, tirar um tempo só para você e promover pequenos rituais de autocuidado pode ser um grande investimento na autoestima e na saúde mental.

Mas não é só isso. Ter hábitos saudáveis como praticar exercícios físicos diariamente e ter uma alimentação saudável e equilibrada são peças importantes para não ceder ao cansaço. Ambas as tarefas são essenciais para manter o corpo saudável, forte e resistente. 

Não se esqueça de descansar! Dormir 8h por dia é o tempo médio indicado para cultivar uma boa rotina. Durante o sono, produzimos substâncias muito importantes para o funcionamento do nosso corpo e do nosso humor, e regulamos o nosso metabolismo.

Também é importante pensar nos vínculos do ambiente de trabalho. Nem sempre é possível manter uma boa relação com os colegas de trabalho, mas é necessário se dedicar para que isso não se torne um problema. 

Agora que você sabe mais detalhes sobre a doença, pode se policiar para cultivar hábitos mais saudáveis na sua rotina pessoal e na convivência com os colegas de trabalho.

Rate this post

Similar Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.